Transacionando EJB3 Session Beans

Um dos requisitos mais importantes em aplicações de software que lidam com modificações de dados persistentes é o controle transacional. O que significa que não podemos simplismente ignorá-lo. Por isso, resolvi escrever este post.

Antes de mais nada, que raios é uma transação?

Uma transação, em linhas gerais, do ponto de vista de negócio, denota uma troca entre duas partes. Por exemplo, numa compra online de livro, você troca uma certa quantia em dinheiro debitada de seu cartão de crédito, por um livro de sua escolha. Ao participar de uma transação de negócio como esta, você procura se certificar de que o valor debitado em seu cartão de crédito é de fato o valor da compra. Caso contrario, há a possibilidade de você estar sendo enganado sem nem mesmo tomar conhecimento – o que não é nada divertido.

Ótimo. Mas onde isso impacta nossos softwares?

Em termos de software, um bom design de seus objetos de negócio não garante que tudo estará bem ao final de um transação. Uma pena. Mas o problema não está no objeto de negócio por si só, ou mesmo no seu processo de negócio. O buraco ainda é um pouquinho mais embaixo.

Em uma aplicação de software, uma transação é bem semelhante ao conceito “toma lá, dá cá” que acabei de apresentar acima, recheado de atividades inter-relacionadas que devem ser completadas em conjunto. A este conjunto de atividades dá-se o nome de unidade de trabalho. (Martin Fowler inclusive catalogou em seu livro Patterns of Enterprise Application Architecture um design pattern que reside nesse campo de transação de negócio chamado Unit Of Work.) Assim, o objetivo final de um transação é executar uma unidade de trabalho, de ponta a ponta, resultando em uma troca 100% confiável. Afinal, ninguém quer comprar gato por lebre, não é mesmo?

Sabendo disso, como podemos garantir esta confiabilidade?

Aqui entra o tal ACID

Quatro características são fundamentais em transações para estas sejam seguras.

1- Atômica, porque uma transação deve executar completamente ou definitivamente não executar. Isso significa que cada trarefa em uma unidade de trabalho deve executar sem qualquer erro, pois se algum erro ocorrer, a transação deve ser abortada e todas alterações revertidas para o estado anterior ao início da transação.

2- Consitente, já que ninguém gostaria de pagar R$ 50,00 no cartão de crédito e, por fim, ao receber a fatura de cobrança, ver que está sendo cobrado R$ 500,00 – e não R$ 50,00. Essa é uma responsabilidade que cabe ao desenvolvedor, que deve consistir cada dado antes de persisti-lo, e ainda, garantir que as tabelas (em caso de banco de dados) estejam preparadas para receber os tais dados.

3- Isolada, porque não é conveniente que os dados estão sendo manipulados por uma transação sejam ao mesmo tempo modificados por outra unidade de trabalho. Imagine que desagradável seria acontecer isso no momento de finalizar uma compra on-line, por exemplo.

4- Durável, uma vez que os dados precisam ser armazenados fisicamente em algum local enquanto a transação está acontecendo, para que não se percam caso o sistema trave.

Daí o acrônimo ACID.

Finalmente, como EJB3 nos permite controlar transações?

EJB3 dá-nos uma maneira muito simples de controlar transações em Session Beans através de uma simples anotação: @javax.ejb.TransactionAttribute.

Você pode aplicar essa anotação tanto em métodos individualmente, quanto na própria classe do bean – o que torna abrangente a todos os métodos. Ou mesmo, se for o caso, você pode aplicar na classe do bean e em seus métodos individualmente, ao mesmo tempo – neste caso, a anotação do método sobrepõem-se à da classe do bean.

@javax.ejb.TransactionAttribute recebe como atributo uma enum TransactionalAttributeType, que tem as seguintes opções:

MANDATORY, define que o método do bean deve ser parte do escopo de transação do cliente, pois o bean pode não iniciar sua própria transação. Caso o cliente não tenha uma transação iniciada, uma falha ocorrerá e será lançada uma exceção javax.ejb.EJBTransactionRequiredException.

REQUIRED, significando que o método do bean deve ser invocado no escopo de uma transação. Caso o cliente não houver chamado este método como parte de uma transação, uma nova transação será iniciada. Mas será encerrada ao final da executação deste método.

REQUIRES_NEW, significa que sempre uma nova transação é iniciada, independente do cliente ter feito a invocação do método do bean em um escopo de transação ou não. O que acontece é que a transação do cliente é suspensa até que o método do bean retorne; e a nova transação, obviamente, só é válida durante a execução do método do bean.

SUPPORTS, indica que o método do bean pode ser invocado dentro de um escopo de transação ou não. Ele pode, inclusive, interagir com outros beans que não estão inseridos em um escopo de transação.

NOT_SUPPORTED, suspende a transação até que o método do bean termine a sua execução. Isso faz com que a transação não seja propagada a qualquer outro método de bean que este invoque.

NEVER, define que um método do bean não pode jamais ser invocado em um escopo de transação. Caso isso aconteça, uma exceção javax.ejb.EJBException será lançada.

Conclusão

Esse modelo de controle transacional é bastante simples de se aplicar, mas ao mesmo tempo poderoso. Como ele fica muito fácil definir as unidades de trabalho – ou, escopos de transação – e garantir as características ACID em sua aplicação de software.

Mas se você não usa EJB3, tudo bem também, não há problema, fico te devendo um post sobre controle transacional com Spring Framework. =)

Até a próxima!

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s