Cuidado com suas exceções!

Um tema bastante trivial, mas não pouco importante, são as sempre presentes Exceções. Outro dia desses me deparei novamente com elas – em um dos projetos que presto consultoria [em arquitetura] – e resolvi escrever este post, como uma pequena “dica”, digamos assim, para quem ainda não está totalmente seguro com o tema. Por fim, ele também servirá como complemento ao meu post anterior que aborda o tema transações em EJB3 Session Beans.

Conceituando as coisas

Em Java há dois tipos de exceções:

– Checadas (checked),
– E não checadas (unchecked).

As exceções checadas são identificáveis em tempo de desenvolvimento e, obrigatoriamente, devem ser capturadas (try…catch) e tratadas – seja com uma mensagem “amigável” ao usuário, ou com um algoritmo alternativo, ou seja lá como for. Estas exceções são identificáveis em tempo de desenvolvimento, por isso, são muito uteis na hora de sinalizar que uma “regra de negócio” foi violada – também conhecidas como exceção de aplicação – e, portanto, algo deve ser feito.

Alguns exemplos deste tipo de exceção seriam:

– MaioridadeNaoIdentificavelException
– ValorPagamentoMenorTaxaEmbarqueException
– DataReservaInvalidaException

Já as exceções não checadas normalmente não são identificáveis em tempo de desenvolvimento, por isso são conhecidas como exceções de runtime – e não coincidentemente, são filhas de RuntimeException. Estas exceções geralmente (mas não invariavelmente) denotam erros de sistema que não são recuperáveis.

Exemplos destas exceções na própria API do Java são:

SecurityException
NullPointerException
MissingResourceException

E, como uma prática comum, também é bom notar que exceções não checadas não são declaradas na clausura throws dos métodos os quais podem lançá-las.

Tomando decisões

Quando você entende este conceito fica simples saber quando usar uma ou outra, não? Sim. Quer dizer, sim, mas também, não! Mas por que não? Hammm… Veja só…

IllegalArgumentException denota que um parâmetro inválido foi passado a um método, correto? Sim, é isto que diz a documentação. Bem, neste caso, imagine que você estivesse escrevendo um método de negócio, e neste método você tivesse que consistir os seus parâmetros. Imaginou? Tá. Agora, o que você faria se um dos parâmetros fosse invalido?

a) Lançaria uma IllegalArgumentException
b) Criaria uma exceção própria [checada] para denotar parâmetros inválidos

Sem pensar muito, você ficaria tentado a optar por (a), certo? Creio que sim. Mas esta não seria uma boa opção, se estes parâmetros forem realmente essenciais para o dado método; e se for possível para o código que executa este método tomar uma “decisão de negócio”, se souber que um ou mais parâmetros são inválidos. Neste caso, o melhor é a opção (b). É preciso ficar atento para escolher a melhor opção em cada situação.

Um pouco sobre exceções em EJB3

Todos os métodos de um EJB3 Session Bean lançam uma exceção do tipo EJBException, que é não checada, caso algo de errado aconteça. Isto automaticamente desencadeia um processo de rollback na transação atual, e grava um registro de log no application server para conhecimento do administrador do sistema.

Como fica então se quisermos lançar nossas próprias exceções? É muito simples, mas é também preciso se ater a um detalhe:

“Se a exceção que você lançar for não checada, ela será automaticamente encapsulada por uma EJBException, o que torna o tratamento desta exceção nada fluente na aplicação cliente, uma vez que não será pego de maneira ‘especifica’ pela seu bloco catch. Isto quer dizer que você somente conseguirá capturar uma EJBException, e não uma NaoConseguiEnviarEmailException, por exemplo.”

No caso deste meu cliente, que usa Oracle Application Server, a EJBException encapsula uma OracleRemoteException, que por sua vez encapsulada a exceção que de fato foi lançada. Que beleza, né? Beleza nada, uma praga! rsrsrs

Então, cuidado! Se você estiver trabalhando com EJB3 e quiser lançar uma exceção não checada, não se esqueça que o cliente de seu EJB não saberá (de forma natural, com um simples try…catch) que exceção realmente foi lançada.

Aqui permanece então o que foi dito acima:

– Exceção de negócio, prefira que seja checada,
– E de sistema, prefira que seja não checada, caso realmente não possa trata-la.

Talvez agora você esteja se perguntando: Mas e a transação, como fica? Ela será abortada quando uma exceção checada for lançada?

A resposta é… Não, ela não será abortada. Porque nem sempre uma exceção de negócio requer um rollback de transação. Aliás, também não será registrado qualquer log no application server – porque erros de negócio são irrelevantes a administradores de sistema.

Mas nem tudo esta perdido. EJB3 provê uma anotação para possibilitar que você aborte uma transação caso uma dada exceção checada ocorra.

@javax.ejb.ApplicationException tem um atributo rollback que pode ser definido como true ou false, indicando que a transação deve ser abortada ou não. Assim, basta fazer esta anotação em sua exceção e pronto!

Essa é uma maneira fácil de garantir a atomicidade de sua transação, porque caso ocorra alguma exceção de negócio que de fato viole o acordo da transação, automaticamente, a transação será abortada.

Bom, é isso… Chega de exceções por hoje!

2 Respostas para “Cuidado com suas exceções!

  1. Boa Leandro. Só para completar, eu escrevi um pouco sobre isso tb a um tempinho atrás:

    http://blog.caelum.com.br/2006/10/07/lidando-com-exceptions/

    Parabéns pelo post!

  2. Valeu cara!

    Conheço esse post seu, me lembro de ter recomendado a alguns amigos na época =)

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s